Laisa Grisi: O seu amor pelo jornalismo trouxe o sucesso como resposta

A nossa entrevistada de hoje é natural de João Pessoa, mas veio morar em Campina Grande ainda bem novinha. Com apenas 27 anos, a geminiana Laisa Grisi é atualmente repórter da TV Paraíba, e possui na bagagem também experiências como produtora, apresentadora e assessoria de imprensa. Ao meu ver, Laisa sempre procura enxergar o lado bom da vida, tanto que ela gosta bastante de uma frase que diz “Que o amor seja sempre a resposta”, talvez seja esse um dos fatores que faz com que ela seja tão firme e confiante na vida. Existe amor!

A forma firme de Laisa em sua profissão, mostra o quanto segura e determinada que ela é. Como tinha dito, ela veio morar em Campina Grande quando tinha apenas 3 anos de idade, e por volta dos seus 10 anos, acompanhou o processo de separação dos pais, indo morar com a mãe e com as outras duas irmãs. Outro momento que também marcou a vida de Laisa foi o falecimento do seu pai, que era médico e que mantinha uma boa relação com a família. Com apenas 15 anos, ela enfrentou essa fatalidade que mudou bruscamente a sua rotina e de sua família.

Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal

Laisa possui muita fé em Deus e nela mesma. Como uma grande amante da TV, ela sempre sonhou em caminhar pelos caminhos da comunicação e então decidiu cursar jornalismo na Universidade Estadual da Paraíba. “Sempre gostei de televisão. Na infância brincava de imitar atrizes, cantoras e apresentadoras. Ali eu já me imaginava estar ‘dentro da TV’ (risos). Depois, já grandinha, admirava os jornalistas que via na televisão. Foi quando decidi fazer o curso” confessou. Logo no início, conseguiu um estágio na assessoria de comunicação da Associação Comercial de Campina Grande, onde teve a oportunidade de participar de alguns eventos e de conhecer Carlos Siqueira, chefe de redação da TV Paraíba. Ela conta melhor essa história toda logo mais.

Logo no início, ela ficou como correspondente da TV em Sousa, onde ficou por dez meses e retomou a Campina Grande, onde é repórter até hoje. Ela ainda disse que sua paixão pelo jornalismo só se confirmou após sua atividade na profissão “Mas só me apaixonei de verdade quando conheci o modo de fazer jornalismo na prática, ainda na universidade” completou

E o bate papo com Laisa Grisi não poderia ter sido diferente, foi ótimo! Conversamos sobre o inicio da sua carreira, as novas formas de produzir o jornalismo, o cotidiano da profissão e algumas curiosidades de sua vida. Confira a entrevista completa:

Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal

Antes de entrar na TV Paraíba, você também estagiou na assessoria de comunicação da Associação Comercial de Campina Grande. É verdade que foi durante um evento que você conheceu Carlos Siqueira, chefe de redação da TV Paraíba, e logo falou sobre o seu sonho de atuar na emissora?

“Super verdade. Quando dei de cara com Siqueira, me apresentei rapidamente e soltei: ‘Meu sonho é trabalhar na TV’. Ele riu e pediu para eu deixar o currículo lá. Só que depois fiquei me achando muito atrevida e que aquela seria a única resposta que alguém poderia dar depois de ter sido pego de supetão como eu fiz. (Risos) Aí surgiu um segundo evento no mês seguinte, e para minha surpresa, Siqueira não só se lembrou de mim como também me cobrou o currículo. Nessa hora eu pensei: ‘Que vacilo! Ele realmente estava falando sério’. No dia seguinte eu estava lá na TV Paraíba com o currículo nas mãos e meses depois fui chamada para uma seleção… Muito bom recordar esse começo… Isso tudo já faz 6 anos.”

Agora vamos falar sobre o seu trabalho na TV. Você já fez inúmeras matérias e reportagens, e eu acredito que existem algumas que marcam a vida do jornalista. Você poderia nos dizer uma reportagem que foi mais difícil de fazer e outra que foi mais emocionante?

“Nossa, difícil pensar em algo específico agora. Este ano, foram várias reportagens incríveis e emocionantes. Teve a história do bebê que precisava de uma cirurgia urgente na cabeça pra sobreviver. A reportagem possibilitou encurtar o tempo de espera. Tudo no país é muito burocrático. Meses depois da reportagem, a mãe dele me encontrou na rua pra dizer que tudo tinha dado tudo certo, que o filho estava forte e saudável. Mostramos o desespero e a luta dessa mãe e voltamos lá depois desse reencontro pra mostrar a felicidade dela e do filho. Na nossa rotina diária sempre nos deparamos com a dor do outro, seja por qualquer motivo. E esse tipo de reportagem exige muito equilíbrio emocional. É difícil. O calendário JPB tem me dado bastante satisfação em mostrar os problemas da comunidade e ver a solução aparecer, acompanhar a luta do povo. Ah! E este ano eu realizei um dos meus maiores desejos numa reportagem também. O salto de pára-quedas no São João. Foi incrível. Não dá pra esquecer também da matéria de estreia em Sousa. Uma reportagem sobre o aniversário da queda da torre da igreja matriz. Lá no sertão também fui testemunha de um dos piores anos de seca da região. Isso me marcou muito. Nesse ano de aprendiz como correspondente em Sousa, algumas das minhas reportagens foram solicitadas pela Rede Globo, para o Programa Globo Rural. Isso também me marcou. Foi um grande incentivo profissional. Enfim, são muitas… Amo relembrar!”.

A gente também adora relembrar, Laisa! Olha só algumas imagens da carreira da nossa entrevistada:

[Best_Wordpress_Gallery id=”1″ gal_title=”Laisa Grisi”]

Percebi também que já virou rotineiro no JPB chamar “links” ao vivo com repórter e sendo com uma transmissão feita via internet. Você acredita que a internet está mesmo criando uma nova forma de fazer jornalismo? Acredita que tenha algo de negativo nessas novas formas?

 “A transmissão ao vivo via internet nos proporciona uma mobilidade incrível. O jornalismo já mudou muito em função da internet e das novas mídias digitais. Eu não vejo nada de negativo nisso. Nós jornalistas precisamos nos reconfigurar. Acompanhar essa evolução digital e fazer disso um aliado. Noticiar um fato não é mais papel do jornalista. Hoje em dia a notícia chega às pessoas primeiro pelo Whatsapp. Nossa função é trazer um diferencial, sempre ter algo a mais pra acrescentar.”

Você já trabalhou em assessoria de comunicação, já foi e continua sendo repórter e também, apresentadora. Tem algo mais na vida profissional que queira realizar? Algum sonho na área profissional?

 “Sim, claro. Não quero parar nunca. Minha cabeça vive um turbilhão de idéias o tempo todo. (Risos) Acho que como repórter ainda tem muita coisa que quero realizar. Ainda tenho muita história pra contar, gente pra ouvir e corações pra tocar. Por isso a idéia é sempre buscar aperfeiçoamento e estudar!”

 Conseguiria nos dizer um ponto positivo e um negativo no cotidiano de um do jornalista?

 “Ponto positivo: dinamismo. Minha rotina de trabalho me proporciona conhecer muita gente e estar em muitos lugares diferentes. Ponto negativo: Acordar cedo demais! Acordo às 4h da manhã todos os dias. (Risos)”

11987012_888726497870409_1459612321718936292_n
Foto: Arquivo Pessoal

As pessoas param você nas ruas para tirar foto e conversar? Como você avalia essa tietagem de seus admiradores?

“Acho normal. Não me considero artista, mas entendo que é um reconhecimento ao meu trabalho e admiração mesmo. Fico lisonjeada. Quando a gente trabalha em TV acaba se sentindo muito perto do público. Esse feedback é ótimo.”

Pra fechar fazendo aquela autoanálise, para você quem é a Laisa Grisi?

 “Busco por essa resposta constantemente. (Risos) Eu sou um conjunto de defeitos, personalidade e essência… A luta é pra que esta última se sobressaia as demais e eu consiga transmitir amor em tudo que eu faça.”

 

4 comentários em “Laisa Grisi: O seu amor pelo jornalismo trouxe o sucesso como resposta

  1. Gostaria de deixar registrado as minhas felicitações para o nobre amigo Glêbson Rodrigues pelas excelentes entrevistas que posta em seu site, assim como também pelo excelente trabalho prestado a sociedade e em especial aos acadêmicos da área de comunicação que se espelham no cotidiano para seguir em frente e querer ser “tão bom” quanto o entrevistador e os entrevistados.

    Entrevista incrível! Laisa é autêntica e “gente da gente”. Esses exemplos me faz ter certeza que estou no curso certo.

    Forte abraço e bastante sucesso!

    1. Eita Franklin! Que coisa linda!
      Muito obrigado pelo carinho, meu amigo. Fico feliz em saber que está gostando do conteúdo do site!
      Muitíssimo obrigado! Mega abraço e muito sucesso pra gente!

Deixe uma resposta